Perguntas Frequentes

A negociação é feita através de amostra.

Após a análise detalhada da qualidade, umidade, do tipo e da bebida, o café é corretamente precificado.

Os produtores que trabalham com a UTZ Certified / Rainforest Alliance, Certifica Minas, C.A.F.E. Practices (Starbucks) recebem um ágio no café comercializado com a EXPORTADORA GUAXUPÉ. Veja todas as informações aqui.

O preço do café passa por inúmeras alterações durante o dia, pois acompanha as cotações do dólar e da bolsa de valores de NY (café arábica).

Para ficar por dentro das cotações, acesse aqui.

Sim. O produtor tem total liberdade de negociar ou não com a EXPORTADORA GUAXUPÉ.
Além disso, a EXPORTADORA GUAXUPÉ atua como um elo entre agricultores e torradores, restaurantes e cafeterias, no Brasil ou no exterior, auxiliando em toda a operação.

Entre em contato conosco para mais informações.

Em breve

Além dos cafés produzidos nas fazendas da família Barbosa,  a EXPORTADORA GUAXUPÉ comercializa cafés de um amplo leque de produtores parceiros, o que viabiliza o fornecimento de todas as qualidades e variedades demandadas, comerciais e/ou especiais.

Entre em contato com o departamento de Trading clicando aqui.

Através de máquinas modernas, o lote é primeiramente limpo, eliminando pedras e paus. O segundo passo é separar os cafés por tamanho (peneiras). Cada peneira passa por duas máquinas, uma retirando defeitos de malformação (quebrados, murchos…) e outra separando defeitos visuais (cor).

De olho nas expectativas do mercado, a empresa se prepara com uma completa e moderna estrutura de maquinário dedicada exclusivamente ao rebeneficiamento de cafés especiais.

Análises física:

TIPO: Seguindo a tabela de classificação da Bolsa Oficial do Café e Mercadorias utilizada no Brasil, o café pode ser classificado de 2 a 8, sendo o menor valor relativo ao menor número de defeitos.

Tipo 2  = 4 defeitos

Tipo 3  = 12 defeitos

Tipo 4  = 26 defeitos

Tipo 5  = 46 defeitos

Tipo 6  = 86 defeitos

Tipo 7  = 160 defeitos

Tipo 8  = 360 defeitos

PENEIRA. A classificação por peneira separa os grãos por tamanhos. As peneiras de grãos chatos vão de 12 a 20 e as de grãos mocas (arredondados) de 8 a 13.

COR. São as tonalidades do café (verde azulada, verde-cana, verde, esverdeada, amarelada, amarela, marrom, chumbada, esbranquiçada e discrepante).

UMIDADE. A umidade é fator determinante na qualidade e, consequentemente, preço do café. A umidade ideal do café é de 11 a 12%.

Análise sensorial:

BEBIDA. Está relacionada ao sabor e ao aroma:

Estritamente mole – bebida muito suave e adocicada.

Mole – bebida suave, acentuada e adocicada.

Apenas mole – bebida suave, com leve adstringência.

Dura – bebida adstringente e gosto áspero.

Riada – bebida com sabor ácido.

Rio – bebida com sabor forte e desagradável.

Rio Zona – bebida com sabor e odor muito desagradável.

Se o café for avaliado como café especial, a amostra segue para outro laboratório para nova análise.

São cafés com no mínimo 82 pontos na metodologia SCAs de avaliação, cuja escala vai de 0 a 100 e envolve os seguintes atributos:

  • Fragrância/Aroma
  • Uniformidade (cada xícara representa estatisticamente 20% do lote avaliado)
  • Ausência de Defeitos
  • Doçura
  • Sabor
  • Acidez
  • Corpo
  • Finalização
  • Harmonia
  • Conceito Final (impressão geral sobre o café, atribuída pelo classificador).

 

O que faz um café especial é a sua produção. Envolve atividades desde a preparação do cafezal para a florada, o desenvolvimento das frutas até ficarem maduras, a colheita e uma secagem cuidadosa. Ou seja, é o manejo e atenção dispensada pelo cafeicultor que fará toda a diferença na produção de verdadeiras joias raras, de sabores e aromas que podem proporcionar xícaras incríveis.

Envie um e-mail para comercial@guaxupe.com.br.
Coloque seu nome, propriedade e os dados a serem alterados, como telefone e endereço.

A certificação demonstra um compromisso com a produção e o fornecimento responsáveis de café, garantindo a qualidade do produto adquirido para o consumidor.

Tem, ainda, o objetivo de capacitar produtores e melhorar condições de trabalho para garantir a sustentabilidade e o bem-estar de trabalhadores.

Entre os pontos a serem cumpridos estão o uso eficiente de água, terra e fertilizantes, adoção de práticas conscientes de plantio, segurança e conforto a trabalhadores, pagamentos de acordo com as políticas de cada país, respeito a áreas preservadas, entre outros.

Devido às boas práticas agrícolas, ações sociais e ambientais e uma nova postura de gestão porteira adentro, os princípios da certificação geram ganhos para a propriedade, gestores, trabalhadores, comunidade e para o meio ambiente.

Seu café passa a ser mais valorizado!

Certificação paga ágio na comercialização, ou seja, os produtores poderão conseguir preços melhores para o seu café e uma maior competitividade no mercado externo. 

A EXPORTADORA GUAXUPÉ comercializa cafés produtores parceiros de todo o Brasil.

O recebimento de café pode ser em big bag, granel e sacaria.

Para cada saca de café comercializada com a EXPORTADORA, o produtor pode doar R$ 0,20 para as Instituições parceiras:

Hospital Regional de Passos

Hospital Regional de Alfenas

Hospital de Amor, Barretos.